domingo, fevereiro 5, 2023

Idiomas Chinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianKoreanPortugueseSpanish

spot_img
InícioNotíciasESGBeats lança coleção de NFTs em parceria com ONG brasileira

Beats lança coleção de NFTs em parceria com ONG brasileira

Iniciativa envolve criação de um fundo cripto com impacto social, voltado para instituições que apoiam o funk brasileiro

A Beats, linha de drinks da Ambev para festas, lançou nesta sexta-feira, 18, sua primeira coleção de tokens não-fungíveis, marcando a entrada da empresa no mundo da Web3 a partir de colecionáveis digitais.

Em comunicado, a companhia informou que o lançamento do “Beats Comunidade NFT” faz parte de uma parceria com a ONG Voz das Comunidades e envolve a criação de um fundo cripto com impacto social, desenvolvido para “impulsionar o funk no Brasil por meio de blockchains”.

A primeira coleção da Beats conta com 30 NFTs que serão vendidos para o público. Os tokens serão usados como uma forma de investir no fundo, cujos recursos serão destinados para “apoiar instituições que fomentem a cena cultural do funk no Brasil”.

As startups brasileiras Lumx Studios e Monnos foram as responsáveis por desenvolver os NFTs, e a plataforma de negociação permitirá que a empresa “acompanhe o engajamento, entenda os desejos de sua comunidade e identifique oportunidades para engajar e trazer novas iniciativas aos clientes”.

Segundo a Beats, a tecnologia blockchain foi escolhida para ser usada no projeto por reforçar o compromisso da empresa com transparência e distribuição do valor arrecadado com a iniciativa.

“A união de NFTs e música nos permite entrar em mercados diversos, unindo universos diferentes, fazendo com que artistas alcancem outros mercados e a gente ajude arte a ser vista como um investimento”, diz Andressa Schiessl, gerente de Inovação do Beer Garage Ambev, dona da marca.

Para Thais Soares, diretora da Beats, a ideia do projeto envolver também construir a marca como “culturalmente ativa, no qual o funk é uma das plataformas”, ao mesmo tempo em que usa inovações para “somar ao movimento cultural”.

Rene Silva, que integra a ONG Voz das Comunidades, considera que o “ineditismo da escolha de uma tecnologia para gerar recursos a essas organizações dá uma dimensão da importância dessa iniciativa”, que ajudará a impulsionar projetos realizados em especial no Rio de Janeiro.

Via exame.com

NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

+ LIDOS