domingo, julho 14, 2024

Idiomas Chinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianKoreanPortugueseSpanish

InícioNotíciasESGSOS Amazônia cria mapa no Fortnite para incentivar a proteção da floresta

SOS Amazônia cria mapa no Fortnite para incentivar a proteção da floresta

O jogo levou para dentro dos consoles os conflitos socioambientais criando O Mapa Originário, o primeiro que fala sobre terras indígenas

O jogo Fortnite acaba de lançar O Mapa Originário, novo desafio criado para que os gamers protejam a floresta amazônica, defendam os povos originários e utilizem a plataforma para dar visibilidade a causas socioambientais importantes no cenário internacional. O projeto foi desenvolvido pela Leo Burnett Tailor Made.

O jogo já está disponível para jovens do Povo Huni Kuĩ, no Acre, e os streamers terão acesso a partir do dia 9 de agosto, conhecido como Dia Internacional dos Povos Indígenas. Dentre os desafios que os jogadores enfrentam estão apagar o fogo da floresta, eliminar as máquinas de madeireiros ilegais, expulsar garimpeiros, replantar árvores nativas, limpar os rios e o desafio Death Run, com obstáculos que foram construídos na floresta.

O projeto representa conflitos comuns dentro dos territórios indígenas e a realidade vivida por diversos grupos da Amazônia. Para complementar, é possível localizar informações sobre a floresta, sustentabilidade, reconhecimento da fauna e flora nativas e do trabalho desenvolvido pela ONG SOS Amazônia em parceria com a Federação do Povo Huni Kuĩ.

Geração Z

Os desenvolvedores afirmam que mesmo dentro do ambiente virtual, unir o entretenimento e a mobilização social é uma maneira de incentivar os jovens da Geração Z a lutarem por essa causa também na vida real, pois eles serão afetados futuramente com os impactos ambientais e climáticos que ocorrem hoje em dia.

Nos últimos anos o Brasil enfrenta uma grande violação ao direito por demarcação de terras indígenas, assegurado pela Constituição, com políticas e discursos contrários aos interesses indígenas e um grande aumento nas taxas de desmatamento, garimpo ilegal, violência contra a população agroextrativista e invasão às terras indígenas.
 
Via Forbes
NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ LIDOS